POR Ruither Ferrão 4 ANOS ATRÁS
COMPARTILHE

Por Ruither Ferrão
cidades@blogdacomunicacao.com.br

Joanesburgo, a maior cidade da África do Sul, se prepara para receber a Copa do Mundo de 2010 e, certamente, tem tudo para mostrar um belo espetáculo. Por ser a cidade mais rica do continente africano, é presumível que ela gaste alguns milhões de “Rand”, moeda local, com o intuito de mostrar ao mundo a sua exuberante beleza.

Há alguns anos, tive a oportunidade de visitá-la. Estranhamente, eu jamais tinha lido algo sobre África do Sul. Tamanha foi a minha surpresa ao desembargar no Aeroporto da cidade. Desde então, comecei a visualizar, além das belezas, a imensidão do poder aquisitivo daquela nação. Nas ruas só se vê automóveis luxuosos que circulam como se fossem carros populares no Brasil. Claro que isso acontece somente numa determinada área.

Como em toda grande capital, existem também os bairros mais simples e precários em todos os sentidos. Há uma região onde vive a população negra, mantendo-se distante, ao máximo, dos brancos. No local, principalmente à noite, devido à criminalidade, não é recomendável a circulação de brancos, correndo-se o risco até de morte, segundo fui alertado. O índice criminal teve aumento significante em 1990, quando Joanesburgo foi afetada pelo flagelo humano. Na época, milhares de pessoas pobres foram proibidas de viver em determinadas áreas e se mudaram para os arredores de Joanesburgo, causando grande confusão e provocando o fechamento de empresas e até a mudança da Bolsa de Valores para outro local.

A partir de 2008, a cidade instalou câmeras de alta tecnologia em cada esquina da área central, controladas pela Polícia Metropolitana de Joanesburgo, o que tem sido muito eficaz no combate à criminalidade.

Dentre tantas coisas que me chamaram a atenção na África do Sul, gostaria de destacar a situação das rodovias. Não se vê remendos no asfalto como por aqui. As estradas parecem um tapete. Há locais onde a velocidade de 180 Km por hora é normal. É o caso da rodovia que liga Joanesburgo à Cidade do Cabo. Para se ter uma idéia, fiz este trajeto numa extensão de mais ou menos 1200 Km, em apenas oito horas.

Por outro lado, é lamentável a situação de miséria em que vive uma parte da população que, talvez por ter nascido negra, não teve a mesma sorte, sequer de ter algo para comer.

Conclusão: onde há riqueza sempre haverá a pobreza. As duas serão eternas companheiras, apesar do grande contraste. Certo é que, em qualquer lugar do mundo, o dinheiro estará sempre ostentando a cobiça, a ganância e a desgraça do ser humano, infelizmente!

Apesar de tudo, vale muito a pena viajar para Joanesburgo. Quem sabe este será o seu próximo destino de férias hein!

Crédtio da imagem: http://www.4321.co.il/property/photographs1/f992881416.jpg

TAGS: , , , ,

6
COMENTÁRIOS
MAIS SOBRE Ruither Ferrão
nasceu em Abaeté, MG e mudou-se para Belo Horizonte ainda criança. Começou a trabalhar ainda na infância para ajudar a mãe no sustento da casa, uma vez que seu pai era doente e não podia trabalhar. Aos 40 anos, fez o vestibular na Estácio de Sá a título de curiosidade e passou. No 3° período do curso de jornalismo viu-se obrigado a interromper os estudos por problemas financeiros. No entanto, surgiu a oportunidade de inscrever-se no Pro-Uni e passou em primeiro lugar na prova de redação. Esta conquista lhe rendeu uma bolsa de estudos integral, com a qual conseguiu dar continuidade no curso. Atualmente é repórter free-lancer do Jornal Edição do Brasil, em Belo Horizonte e colunista do Blog da Comunicação.
CONFIRA TODOS OS POSTS DO AUTOR
  • http://www.blogdacomunicacao.com.br Leandro Alves

    Excepcional o artigo! Bem escrito e original tanto do ponto de vista estético quanto poético que pude notar na tua presença como sujeito protagonista ativo da história.
    A África do Sul está preparada para sediar a Copa do mundo sim, em 2010. Não pelo esporte estar presente como agente solidário e socializador, mas pelas competências do próprio continente no que concerne à cidadania e à cultura, a primeira pude notar no cuidado com as ruas e a segunda na literatua de Mia Couto, escritor comprometido com as verdades e tradições da sua terra. Quanto ao racismo, este é mais passível de ser resolvido do que no Brasil onde o racismo é mais sutil e nem sempre visto a olhos nus. Deixo como dica de leitura

    “O negro brasileiro e o cinema”
    Por João Carlos Rodrigues

  • http://seuluiz.blogspot.com Luiz Antonio Andre

    Excelente artigo. É bom saber sobre países que pouco conhecemos. No próximo ano quando se realizará a Copa, a mídia com certeza, dará mais atenção a este país. Quanto a cidade de Joanesburgo, não é diferente das outras grandes cidades do mundo, onde a riqueza e a pobreza convivem.

    Abraços

  • Guilherme Freitas

    Ruither, pobreza e riqueza existem em todo o lugar e andam sempre de mãos dadas. No caso da África do Sul isso é maior ainda, pois trata-se de um país que viveu décadas de segregação racial e ainda não conseguiu resolver seus problemas. Alguns negrios enriqueceram e outros vivem abaixo da linha da pobreza, além da AIDS que aumenta ano após ano. Mesmo assim belíssimo artigo. Espero ter um dia a oportnudade de visitar Joanesburgo.

  • felipe

    eu vou visita joanesburgo
    e ver a peia que o brasil vai da na coreia

  • Ulianov da Sillva

    é África parece que estamos condenado a viver assim, pelo menos na africa do sul há democracia, já em Angola, pode desaparecer uns bons milhões de dolares no banco, o politico pode matar um simples cidadão tudo fica em nada, os tribunais não funcionam, a policia é a favor dos politicos, há muita repreensão, não autorizam manifestações, e se gabam na comunidade internacional que o país está a crescer.

  • manu

    cidade rica e fudida

Você esta satisfeito com a programação da TV aberta?
 
 
 
Powered by Hotcourses Brasil
 
ApostasOnline.com: Apostas de futebol nos campeonatos brasileiros e mundiais