POR Marcello Ghigonetto 4 ANOS ATRÁS
COMPARTILHE

[etanol.jpg] 

Por Marcello Ghigonetto

meioambiente@blogdacomunicacao.com.br

Quem teve a oportunidade e curiosidade de assistir ao pronunciamento de posse da Dilma, talvez tenha reparado que em seu discurso, o governo buscará o crescimento acelerado sem destruição do meio ambiente, e que o direcionamento será dado na busca de investimentos e estudos para produção de fontes limpas e renováveis de energia. Em um primeiro momento, achei um tanto curioso, afinal o Pré-sal vai contra todos os argumentos de fonte limpa e renovável. Mas não estou aqui para ser o “advogado do diabo”, e sim divulgar dados que comprovam o pioneirismo brasileiro no desenvolvimento e produção de fontes limpas e renováveis.

O cenário no país é positivo e tende a ser cada vez melhor. Estudos comprovam que 47% da matriz energética nacional (energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos) é limpa e renovável, enquanto a média mundial é de 13%. Se considerarmos somente a matriz elétrica, o Brasil tem quase 90% de energia limpa e projeção de crescimento alto, tão logo se torne viável a tecnologia com outros componentes. Tal pioneirismo pode ser comprovado nas iniciativas de programas brasileiros que visam ampliar o investimento energético nacional.

  • Veículos Bicombustíveis – Em 1975, o Governo criou o Programa Nacional do Álcool (Pró-álcool) que buscava incentivar a utilização do derivado de cana em substituição ao por petróleo. Já em 2003, os carros “flex” utilizam prioritariamente álcool. Segundo o Ibope, 78% dos proprietários deste tipo de veículo. Hoje os mesmos representam 36% da frota brasileira. Em 2009, a Moto Honda da Amazônia lançou a primeira motocicleta bicombustível do mundo.
  • Programa do Biodiesel – Implementado em 2008, o programa previa a adição crescente de combustível vegetal ao diesel vendido no país até a meta de 5% em 2013. Atualmente a capacidade produtiva antecipou este índice em três anos. Outro bem sucedido programa  é a gasolina com etanol  em 25% que reduz a emissão de gases de um motor convencional em até 40%.
  • Inspeção Veicular – Adotada em 1997 pelo Rio de Janeiro e 2007 por São Paulo. Nela, os proprietários de veículos ficam obrigados a manter o motor regulado buscando a redução de gases, proporcionando economia de combustível.
  • Ônibus Elétricos Híbridos – Desde 2000, a cidade de São Paulo conta com uma frota de 43 ônibus que alternam o uso de combustível com o de baterias acumuladoras de energia. Estes modelos economizam de 10 a 25% em relação aos convencionais
  • Energia da Biomassa – Na busca de auto-suficiência energética, usinas de açúcar e álcool começaram a queimar resíduos da cana para alimentar caldeiras. Com sua evolução para geração elétrica, o excedente passou a ser fornecido para o sistema de integração. Estima-se que para 2020, o país terá 22 GW de potência da geração apenas com resíduos da cana.
  • Etanol Celulósico – Somos lideres em pesquisa e desenvolvimento do chamado etanol de segunda geração, o chamado etanol celulósico. Com ela é possível ampliar o rendimento da cana na produção do álcool em 30% e apesar de já estar disponível, sua previsão de tornar-se economicamente viável é entre 2015 e 2020.
  • Carvão Vegetal Renovável – Na década de 60, a indústria siderúrgica utiliza carvão vegetal de fonte renovável. Atualmente esse número supera 51% do total, o que contabiliza ao Brasil a emissão 250 milhões de toneladas a menos de CO² na atmosfera.
  • Biogás – Resultante da decomposição controlada do lixo doméstico feita em aterros sanitários, ou da decomposição de esterco animal, a queima do biogás reduz a emissão de metano, gás que equivale 21 vezes o CO². Ao longo do país são 13 usinas com um total de mais de 150 MW de capacidade.
  • Reciclagem – Desde 2005, o Brasil é campeão de reciclagem de latas de alumínio, com mais de 90% do total produzido. A reciclagem deste tipo de material proporciona a economia de mais de 95% em relação à produção de novas latas. No vidro, a economia chega a 40% e o pais alcança a reciclagem de 50% de sua produção.

Não podemos deixar de mencionar as usinas eólicas no nordeste, além de programas que visam beneficiar o consumidor como o Procel, tecnologia Solar, Selo de Eficiência Predial, Horário de Verão, etc. Vejo o Brasil em um caminho certo quanto à produção de energia limpa e de fonte renovável, só tenho muitas dúvidas quanto a este mesmo cenário pós pré-sal, afinal a produção de petróleo (combustível fóssil) aumentará a a níveis ainda desconhecidos, mas supera o dobro e conquista a auto-suficiência, mas e a produção em excesso? Será barateado e aumenta o incentivo ao combustível fóssil? Fica a dúvida……

Fonte: Anuário Revista Análise

TAGS: , , , , ,

2
COMENTÁRIOS
MAIS SOBRE Marcello Ghigonetto
é paulistano de coração e corinthiano de formação. Esse pode ser um pequeno resumo de Tché, apelido pelo qual Marcello gosta de ser chamado. Com 26 anos de idade, é Relações Públicas e Jornalista. Atualmente trabalha com Assessoria de Imprensa. Nas horas livres adora tocar cavaquinho, instrumento pelo qual dedica horas e horas da semana e correr, mas correr pelas ruas. Em seus textos o que prevalece é sempre o humor, seja na saúde, na doença, na alegria ou na tristeza, mas de uma forma inteligente sem exageros e não saindo do tema central. “Com a reestruturação do blog, tenho certeza que vamos desenvolver um excelente trabalho, são novas idéias, nova equipe. O resultado depende da contribuição de cada um. Seja bem vindo” finaliza Marcello “Tché” Ghigonetto.
CONFIRA TODOS OS POSTS DO AUTOR

Qual time brasileiro tem mais chances na Libertadores?
 
 
Powered by Hotcourses Brasil
 
ApostasOnline.com: Apostas de futebol nos campeonatos brasileiros e mundiais